Meucotidiano Weblog

Falo a lingua dos loucos porque não conheço a mórbida coerência dos lúcidos.

Triste maio 30, 2011

Filed under: Sem-categoria — meucotidiano @ 1:27 am

Como pode o dia vira noite de uma hora pra outra? É assim que me sinto…no escuro! Precipitada, exagerada, desequilibrada, intensa, transitória, ciumenta, VERDADEIRA. Quando senti que alguma coisa havia mudado meus dias que estavam tão sem graça, tão sem emoção, não pensei duas vezes…é isso que eu quero, vou superar meus medos, vou me permitir, me jogar de cabeça.  Talvez devesse manter o equilíbrio e me precaver para as armadilhas do coração. Nem sempre as coisas são como gostaríamos que fosse, e os sentimentos nem sempre são correspondidos da forma que esperamos, na mesma intensidade.

Não sei se devo me orgulhar ou me arrepender de ter sido tão desmedida. Por mais que doa, por mais que eu esteja ferida, decepcionada, magoada…sei que vai passar! Guardo tudo que foi bom: paixão, amor, carinho, desejo, admiração, saudades…até a saudade agora não me parece tão ruim! Transformar um sentimento tão intenso em amizade. Não sei se consigo fazer isso de imediato, mais vou tentar…que o tempo me ajude, me devolva a esperança e seque as lágrimas que insistem em me visitar todas as noites!

 

Como é doce o amor (Sandra Maia) maio 18, 2011

Filed under: Sem-categoria — meucotidiano @ 2:29 am

Gosto muito dos textos da Sandra Maia e me identifico com algumas coisas desse texto então resolvi posta-lo

Como é gostoso estar em uma relação de amor onde dois interagem de forma apaixonada, delicada e cheia de gentileza e respeito. Como é bom amar e ser amada. Como é bom experimentar essa certeza de que – sim – aconteça o que acontecer, o outro estará lá para nós! Melhor ainda é ver casais jovens ou mais velhos vivendo essa experiência.

Sabe aquela coisa do olho no olho!? Aquele abraço que não quer desgrudar, aquelas conversas que alimentam a alma, o ser, aquela relação que no mantemos porque é bom!? Porque escolhemos? Porque queremos!?

É, caro leitor. Isso não tem preço.

E, se acontece nos romances, no cinema, nas telenovelas, acontece também na vida. E entendo que a maneira de começar uma relação faz toda a diferença. Se temos urgência, temos pressa, queremos esquecer um outro qualquer, queremos resolver nossos problemas, seja de que ordem for, talvez não tenhamos sucesso a longo prazo…

Esquecemos a parte boa. Vamos logo para o “finalmente” e deixamos de prestar atenção em nós, no outro, no ser. Começamos, nesse contexto, com uma troca de interesses que nem sempre tem como base o amar, o entregar-se de corpo e alma, o escolher uma parceria para uma vida. Está mais para ficar ou, ainda, dar e cobrar o receber na mesma moeda, da mesma maneira – o que nem sempre é possível.

Mas vamos voltar ao encantamento… As relações que dão certo! O que quero crer é que muitas dessas relações cheias de um amor quase incondicional demandam um tempo para se concretizar. Um casamento não é construído do dia para a noite. Uma relação de amor tão pouco.

Inteiros

É preciso que estejamos inteiros. É preciso que o outro esteja inteiro. É preciso que haja uma escolha diária. Depois, há que usar e abusar da sedução,  do despertar no outro tudo o que queremos que este perceba em nós. Seja pelo andar, pelo falar, por tudo o que emanamos e que nos retrata. E, para que isso seja possível a auto-estima tem de estar no lugar. A auto-confiança idem.

Precisamos estar plenos para, então, encantar um outro também pleno. Vale compreender que, enquanto seduzimos, precisamos deixar para o outro uma brecha, um espaço para que se sinta à frente da conquista. Sim! Assim como gostamos e queremos ser conquistadas, está na essência do masculino essa característica.

E, então, se seduzir demanda não mostrar tudo de uma só vez, é mais leve, mais estratégico, conquistar é como ir a uma batalha. Está tudo às claras, todas as armas são declaradas, toda a força é permitida…

Vale aqui uma reflexão. Será que começamos nossas relações com a calma necessária para que a entrega seja um acontecimento? Será que nos damos esse tempo? Será que olhamos para dentro, entendemos o que estamos sentindo com tempo para também observar o outro?!

Será que se fizéssemos diferente teríamos mais êxito? Mais sucesso em nossas possibilidades?

Faça uma reflexão comigo. Será que a estratégia de Steve Jobs da Apple para o iPhone teria tanto sucesso se este fosse vendido por aí, à baciada? Será que o iPad teria o sucesso que tem se fosse encontrado em qualquer esquina por qualquer preço!? Será que se a embalagem não fosse absolutamente perfeita e clássica, o produto seria assim tão desejado!?

Pois é! No marketing fica fácil compreender que despertar o desejo faz parte do processo de construção de marcas fortes. Na vida pessoal entendo não ser muito diferente. E, então, qual vai ser a sua escolha?! Na próxima saída, será que dá para pegar leve?! Dá para ir devagarinho meio que pisando em ovos até se ter a certeza do passo a tomar!? Por que o desespero? Por que a pressa?

Fazer escolhas nem sempre é fácil. Demanda força, disciplina, estratégia e, acima de tudo, a compreensão de onde estamos e para onde queremos ir. Então, saber quem vamos querer que nos acompanhe fica mais fácil.

Escolhas, sempre escolhas…

 

O amor voltou! maio 14, 2011

Filed under: Sem-categoria — meucotidiano @ 3:30 am

Engraçado que quando a gente menos espera alguém entra no nosso caminho e começa a fazer parte da nossa historia…

Uma noite  entre amigas, bate papo descontraido, risadas descomprometidas e o relógio marcou 1 hora da manhã. Hora de mudar os ares e dançar, não imaginava o que o destino havia preparado pra mim! Lugar escuro, apertado, cheio de gente indo e vindo e ELE veio,  na minha direção, pediu licença e elogiou meu sorriso. Apesar do som alto pude observar um sotaque diferente e naquele momento algo já havia me chamado a atenção.

O destino começava a ser traçado, conversas, sorrisos, toques leves e derrepente todos sumiram, só havia eu e ELE. O primeiro beijo me arrancou do chão, palpitou meu coração e eu senti que alguma coisa tinha acontecido comigo, só não imaginava seria tão forte a ponto de despertar sentimentos que durante um bom tempo eu preferi deixar adormecido,  esquecido, ou talvez tivesse perdido o prazer de senti-lo novamente. A vontade que eu tinha era de eternizar aquele momento, parar o relógio, congelar tudo.

Demorei de dormir! Aquela noite não saiu do meu pensamento e eu me perguntava, será que ainda nos veremos? Será que foi tão especial pra ELE como foi pra mim?

Marcamos no dia seguinte e a expectativa era que as  horas passassem voando,  que o telefone tocasse anunciando a ligação tão esperada, queria sentir tudo aquilo de novo! Reencontra-lo e aproveitar o pouco tempo que nos restava.

Quando ELE apareceu na minha frente, me senti como uma adolescente, coração disparado,  mãos suando, lábios tremulos e aquele frio nos estômago que denuncia: Paixão

Tivemos a chance de nos conhecer melhor, conversar, entender as expectativa e anseios de cada um, pude sentir  verdade nas suas palavras, sinceridade…qualidade que busco insessantemente. A distância ia nos separar dentro de algumas horas e apesar do desejo que transbordava nos olhos e corpos eu me contive e com o coração pequenininho nos despedimos. Na minha cabeça aquela deveria ser a ultima vez que nos encontrariamos, mais meu coração já sabia que isso não era mais possível.

SAUDADE…ela me fez perceber o quanto ELE fazia falta na minha vida! Meus pensamentos foram invadidos por lembranças e eu percebi como era bom me sentir “assim”.

Músicas, desabafos, planos e uma dúvida- Vale a pena? Depois de 1 mês e alguns dias, nos seus braços eu só tinha uma certeza: CADA SEGUNDO DO SEU LADO ESTÁ VALENDO A PENA!