Meucotidiano Weblog

Falo a lingua dos loucos porque não conheço a mórbida coerência dos lúcidos.

UMA TRAGÉDIA ANUNCIADA EM “VIVER A VIDA” novembro 20, 2009

Filed under: Sem-categoria — meucotidiano @ 12:28 am
Há quem diga que as novelas são apenas o retrato da vida real, obras ficcionais, sem nenhuma importância. Acho que depois de “Viver A Vida” de Maneco mudei de idéia. A história drástica da modelo Luciana, que se envolveu em um acidente de carro e acabou atropelando uma carreira de sucesso, me fez refletir sobre o quanto é fácil a esperança ser destruída. Tantas reflexões me fizeram temer muita coisa, tanto que tive vários pesadelos (pra vocês pode ser uma bobagem isso que eu vou dizer, mas não é). De tanto pensar na trama, as imagens fortes e marcantes das cenas me fizeram perder várias noites de sono. Isso mesmo. Foi impressionate como Viver a Vida conseguiu me deixar angustiada, a ponto de me fazer perder a minha estabilidade psicológica. Uma semana pensando no drama de Luciana e me colocando no lugar dela, foi o suficiente para de repente, o que era sonho, quase se tornar um grande pesadelo. Voltando de Salinas da Margarida no último feriado, de 15 de novembro, em direção a São Sebastião do Passé-Ba, eis que “no meio do caminho tinha uma pedra”, como diria nosso caro Carlos Drummond de Andrade. Mas essa pedra não era inanimada, mas sim a personificação de um rapaz, entre 20 e 24 anos, estirado na pista ensanguentado. O mesmo tinha acabado de cair de sua moto e não usava capacete. O carro em que eu eu estava freou quase em cima do garoto. E pior…por pouco ele não foi atropelado. Na verdade, fui a cobaia. Mas essa freada brusca, para não acabar com a vida daquele ser humano, que nem usava capacete, nos custou muito caro. Logo atrás de nós, um carro em alta velocidade e enfurecido não conseguiu frear… Para se livrar do pobre menino, o GOL G5 Vermelho lançou-se para a pista esquerda e bateu frontalmente com um PALIO Cinza. No momento, só o back, o susto, a lembrança do acidente de Luciana. Os carros rodopiaram, rolaram e caíram bruscamente no chão. O desespero assolou. Era difícil encarar e acreditar que o acidente aconteceu do meu lado e que as mãos divinas de DEUS nos livrou do pior. Não deu para lembrar do meu papel social de jornalista, mas de alguém que poderia estar à beira da morte. Fiquei atormentada e não sabia o que fazer. A minha 1ª reação foi tentar ajudar o moleque que havia caído na estrada e provocado todo aquele furdunço. Liguei para o 192 (SAMU), queria até deixar aqui registrado a rapidez no atendimento e agilidade do pessoal, e pedi que socorresse o menino, que a todo momento perguntava como estava a sua cabeça. Pedi que todos se afastassem dele e o deixassem respirar. A dor parece ter sido aliviada. Dever cumprido fui verificar como estavam as vítimas da batida. Ambos muito bem. Mas o jovem que dirigia o GOL VERMELHO parecia ter bebido um pouco e deixou o local antes que a PRF chegasse. O alívio, após um intenso nervosismo foi tomando conta de mim. Até que uma moto acelerada, seu velocímetro devia bater uns 110 Km, passou levando a todos que participaram do acidente. Uma  tragédia estava por ser anunciada. Mas o nosso bom DEUS não deixou que o pior acontecesse. Fui pra casa e aquela lembrança jamais saíra da minha cabeça. Só tive a certeza de que o melhor a fazer seria agradecer a DEUS por não ter nos deixado sequelas e perceber o quanto é importante “VIVER A VIDA”, “ASSIM COMO ELA É”.

Simônica Capistrano
JORNALISTA
Fiz questão de ceder o espaço para que uma grande amizade pudesse compartilhar essa experiência e nos fazer refletir como estamos vivendo e como é importante saber viver,  fico muito feliz que hoje ela esteja aqui para contar essa história, Deus sempre presente em nossas vidas! Você é muito especial AMIGA!



 

 

Esperar novembro 11, 2009

Filed under: Sem-categoria — meucotidiano @ 1:07 pm

Ultimamente ando sem paciência de esperar!

Sei que é necessário, mas porque as coisas que queremos não acontecem no calor da expectativa? Conforme o tempo vai passando a gente vai desanimando, esmaecendo, ficando pelo caminho e desistindo na pior das hipóteses.

Por mais que se diga que nunca devemos desistir, eu não concordo! Acho que algumas vezes é necessário desistir sim! Quando todas as fichas já foram usadas, todas as energias colocadas a disposição de um desejo que nunca acontece talvez seja a hora de lutar por um novo ideal, fazer acontecer e se conformar que tudo que podia ser feito, foi feito!

Minha mania de consertar algo que já nasceu errado, querer deixar as coisas do meu jeito, como diz no ditado e na música muito conhecida do É O TCHAN: Pau que nasce torno nunca se endireita… (nossa nunca pensei que fosse usar é o tchan para exemplificar alguma coisa, hoje estou meio musical, caetano, tchan e por ai vai). rs

Formada, esperando e lutando para a tão sonhada oportunidade que está demorando de chegar…normal, na minha vida profissional sempre foi assim, esperar, esperar e conquistar o que eu queria, e algumas vezes até ser surpreendida com algo melhor do que eu esperava, o mês de julho nunca foi um dos melhores, normalmente era sempre nessa época que eu saia do trabalho e de maio em diante a coisa começava a andar…cerca de 10 meses, as vezes um pouco antes ou um pouco depois! Tenho fé que algo bom está por vir, nesse caso não perco as esperanças e vou esperar o tempo necessário para chegar onde quero.

No amor…ai, ai…esse ai tem me pregado cada peça que daria para montar três obras teatrais de Shakespeare ou melhor de Nelson Rodrigues com final bem trágico e inesperado como só ele sabia fazer! Esperar, esperar…cansei de esperar, o amor que me encontre, porque meu principe encantado está vindo de jegue e perdeu o endereço, como diz uma grande amiga.  Filosofando com Mario Quintana não vou correr atrás das borboletas e sim cuidar do jardim para que elas venham até mim, vou florir minha vida, cuidar de mim, ser até um pouco egoista nesse ponto, cuidar só de mim e que venham as borboletas ou borboletos que estarei floridissima esperando para acolhê-las.

É isso, esperar é necessário, mas nem tanto, porque se quem espera sempre alcança, quem espera sempre cansa também!